Precisamos falar sobre depressão pós-parto (e também na gravidez!)

A gravidez é um período de muitas emoções, mas algumas podem ser muito mais difíceis de lidar. Conhecer os principais sintomas de uma possível depressão nesse período é o primeiro passo para superá-la

Corpo & Saúde
regenesis-site-mulher-e-gestacao-depressao-pos-parto

Alterações de humor, do sono e da libido, fadiga, tristeza profunda, dificuldade de concentração, desinteresse pelas atividades do dia a dia e até mesmo doenças psicossomáticas: de acordo com a Sociedade Brasileira de Psiquiatria, esses sintomas típicos de um quadro depressivo também podem indicar uma depressão na gestação ou uma depressão pós-parto. A diferença é que, no segundo caso, o quadro é acrescido da sensação de incapacidade de cuidar do bebê ou do desinteresse por ele. De acordo com estudo publicado pela Fundação Oswaldo Cruz em 2016, no Brasil, 25% das mães passam por isso.

Mas qual a diferença entre tristeza e depressão?

As emoções que envolvem todo o processo da maternidade costumam ser muito intensas, por isso a Psicóloga Mariana Garcez Ribeiro, especializada em puerpério, alerta:

“todo o ciclo gravídico-puerperal, que compreende o período da gestação, parto e puerpério, é considerado um período de risco para o psiquismo, devido à intensidade da experiência vivida pela mulher. Por isso é muito importante que tanto a gestante, quanto a mulher que acabou de parir estejam assistidas, tenham uma rede de suporte que as ampare. Isso vale para as questões práticas da rotina de cuidados com o bebê e também para suas necessidades primordiais de alimentação, descanso e bem estar. E se algum dos sintomas perdurarem por mais de 30 dias, é necessário procurar ajuda profissional – que, no caso da depressão, exige acompanhamento psicológico e psiquiátrico”, completa.

Baby blues

Segundo Mariana, existe um quadro semelhante à depressão pós-parto, mas com sintomas menos intensos e que não incapacita a mulher nesse processo.

“A Tristeza Materna, que vem do inglês Baby Blues, é um estado de humor depressivo, de sensibilidade extrema e que condiz com as muitas tarefas de elaboração psíquica que a mulher precisa fazer neste período para constituir-se como mãe daquele bebê que acaba de chegar. Esse quadro acomete cerca de 80% das mulheres e costuma aparecer a partir da primeira semana após o parto”, comenta.


Cuidados na gravidez: conheça os profissionais que podem acompanhar a sua

● Mas, afinal, o que é um parto humanizado?

Mitos da gravidez


Como pedir ajudar?

Na maior parte das vezes, uma rede de apoio formada pelos familiares, mas também por amigos, vizinhos ou mesmo profissionais da saúde, pode ser fundamental para ajudar a mulher a superar ou mesmo a não desenvolver o quadro.

Se a gestante ou a mãe não tem pessoas com quem se sinta à vontade para pedir ajuda, vale fazer uma busca por grupos de apoio que tanto podem ser formados por profissionais, como por outras mães organizadas para se ajudar. O Instituto Gerar, por exemplo, oferece grupos de apoio e uma rede de profissionais especializados em atender a essas demandas tão importantes, em diversos Estados do país. Em São Paulo, na capital, o grupo Primeiras Histórias, do qual Mariana faz parte, conta com uma rede de psicólogas especializadas em puerpério e em atendimentos domiciliares.

Como ajudar?

Como diz o ditado, “se conselho fosse bom, não seria dado”, por isso Mariana recomenda que quem acompanha uma gestante ou uma mãe recém-nascida ofereça seu apoio e sua presença, deixando de lado os famosos “palpites”.

“Nesse momento, tudo o que a mãe precisa é ser apoiada e não julgada, portanto são importantes as atitudes de compreensão por parte daqueles que estão ao seu lado, para que a mulher se sinta à vontade para dizer como se sente de verdade”, finaliza. 

regenesis-site-mulher-e-gestacao-parceiros-2

Mariana Garcez Ribeiro é Psicanalista e acompanhante terapêutica. Ela atende em São Paulo e é membro do grupo Primeiras Histórias, especializado no atendimento domiciliar a mães e gestantes.


 
Conheça a nossa linha de produtos e
encontre a farmácia mais próxima de você.

 

20-12-2019
baby blues depressao depressão depressão pós parto sintomas depressão na gestação depressão na gravidez depressão na gravidez como tratar depressão pós parto tardia depressão pós-parto depressão pós-parto o que é? o que é depressão pós parto puerpério
Comentar

Comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *